Senac
 
Fecomercio
Rio de Janeiro

Sesc Copacabana

Notícias

Filhos de Medeia: Peça estreia dia 11 de julho no Mezanino do Sesc Copacabana

Dirigido pelo premiado Marco André Nunes e com dramaturgia inédita e colaborativa, o espetáculo revisita a tragédia grega de Medeia e as questões atuais propostas pelo mito na perspectiva inusitada de uma banda musical


publicado em 11-07-19

imprimir

Eles voltaram para descobrir: afinal, em que mundo vivemos hoje? E quem somos nós, entre civilizados e bárbaros? Trazendo omito de Medeia para o contexto contemporâneo, estreia dia 11 de julho, quinta, às 20h, no Mezanino do Sesc Copacabana, o espetáculo FILHOS DE MEDEIA, um híbrido de teatro e show, cujos personagens assumem a identidade de uma banda musical fictícia para revelar, em forma de canções autorais (compostas por Felipe Storino), a trágica história da personagem que assassina brutalmente seus próprios filhos para que eles sejam impedidosde viver o mundo materialista e de interessesproposto por seu marido, Jasão.

Na peça, dirigida pelo premiado Marco André Nunes (fundador da Aquela Cia de Teatro e responsável pela direção do sucesso “Caranguejo Overdrive”), a banda traz canções e performances que expõem a barbárie da antiguidade e sua relação de (muita) proximidade com as questões que nos afligem hoje. FILHOS DE MEDEIA fica em cartaz até o dia 28 de julho, de quinta a domingo, às 20h.

O espetáculo é idealizado pela atriz Nina da Costa Reis, em parceria com Marco André Nunes, o músico e diretor musical Felipe Storino, o ator André Dale e o dramaturgo Alexandre Costa. Ainda compõem o elenco/banda, André Coelho, Clarice Sauma, Kelson Succi, Pedro Nego, Reinaldo Junior e Tom Karabachian.

O processo de criação de FILHOS DE MEDEIA foi desenvolvidocoletivamente entrediretor, time criativo,e atores, ao longo de dois meses de ensaios, criação e preparação. Marco André Nunes, adepto de uma linguagem cênica própria com dramaturgia sempre inédita e colaborativa, quer questionar no mundo atual onde estão os filhos que Medeia sacrificou para auto modificar-se e para que eles não vivessem um mundo superficial e de interesses escusos, ou o mundo ocidental.

“O mito só tem vida quando é atualizado. Além de estabelecer uma narrativa, a banda versará sobre temas contemporâneos suscitados pelo mito, como questões sociais, raciais ede gênero. Falaremossobre gravidez, feminino, aborto, questões políticas, arte, etc”, explica o diretor, que já investigou outros mitos gregos no teatro em “Edypop” (2014) e “Laio e Crísipo” (2015).

A banda-protagonista FILHOS DE MEDEIA tem influências de diversos tipos de sons, com ênfase no punk rock e no glamrock dos anos 1980/1990. A estética acelerada, suja, e até mesmo agressiva dos estilosserão exploradas cenicamente.“Estamos vivendo um momento de agressividade.É um ótimo contexto para trazer de volta a força do punk, a atitude, a contestação, as letras de cunho político...”, diz o diretor, que completa: “A tragédia sempre esteve ligada ao coro e à música. É uma forma de gerar uma identificação ainda mais espontânea e forte com o público”.

Se debruçando sobre a obra original e sobre o que ela tem de tão atual, FILHOS DE MEDEIA trará diversas reflexões, tais como: “qual é o seu lugar entre a ascendência materna e paterna, ou entre Medeia e Jasão?”, ou “onde nos encontramos agora?”.

“Visto com olhos contemporâneos, o enredo de Jasão e Medeia nos obriga a reconhecer, finalmente, que o ato e o impulso de civilizar é também, e ao mesmo tempo, a própria ação de barbarizar”, corrobora o diretor, que concebeu os personagens da banda como jovens de 20 a 30 anos, performáticos e cheios de personalidade e potência.

Em cena, elestambém contarão um pouco de sua própria história e desenvolverão relações interpessoais. Autora do argumento, a atriz Nina da Costa Reis viverá Medeia, encarnandoa força feminina e misteriosa da personagem, vista como uma das figuras mais marcantes da dramaturgia universal.

“Me interesso muito por mitos, e há algum tempo, já venho pesquisando tragédias. Foi então que veio esse insight:quem seriam os Filhos de Medeia hoje em dia? Apesar de estar datada de muito antes de Cristo (a versão mais célebre, de Eurípides, é de 431 a.C.),Medeia ainda é extremamente contemporânea”, conclui.

SERVIÇO:

Estreia: 11 de julho de 2019

Temporada: De 11 a 28 de julho de 2019

Horários: de quinta a domingo, às 20h

Local: Espaço Sesc Mezanino - Sesc Copacabana

Ingressos: R$ 7,50 (associado do Sesc), R$ 15 (meia-entrada), R$ 30 (inteira)

Endereço: Rua Domingos Ferreira160, Copacabana, Rio de Janeiro.

Informações: (21) 2547-0156

Bilheteria - Horário de funcionamento: de terça àsexta, das 9h às 20h; e sábados, domingos e feriados, das 12h às 20h.

Classificação indicativa: 16 anos